Intercâmbio com escola italiana envolve estudantes da região

O whatsapp e o facebook como ferramentas de comunicação. Isso é realidade na Escola Governador Bornhausen, em Arroio Trinta, no Meio-oeste catarinense. Essas ferramentas são partes da didática escolar e recentemente estão sendo amplamente utilizadas para o projeto de intercâmbio existente entre a escola catarinense e a Escola Liceo Delle Scienze Umane E. Gianturco da cidade de Potenza, região da Basilicata, na Itália.

O projeto teve início neste ano de 2016 e envolve estudantes do terceiro ano do ensino médio brasileiro, com outros 16 estudantes italianos. Na pauta: a integração cultural por meio do esporte. Grupos de contato e relacionamento foram formatados nas duas ferramentas midiáticas e são alimentados frequentemente.

Segundo o professor da escola catarinense, Silvano Abati, o objetivo da proposta é estimular e aperfeiçoar a língua estrangeira por meio da prática entre os estudantes. A escola, inserida em uma comunidade de descendentes italianos, tem, desde 1995 a língua italiana na grade curricular. Em 2013, com a instituição do Gemelaggio (cidades gêmeas), entre Arroio Trinta e San Paolo de Piave, na Itália, as relações foram sendo ampliadas.

“Como professor vemos essas parcerias de uma forma muito positiva, pois além de apresentar a língua italiana para esses alunos, os mesmos tem a oportunidade de colocar em prática todo esse conhecimento no diálogo, trocando experiências, aprendizados, e, especialmente gerando integração”, afirmou o professor.

O intercâmbio de conhecimento acontece de duas formas: na apresentação multidisciplinar dos trabalhos e ações desenvolvidas nas escolas, e, de forma aberta, onde todos podem se relacionar abordando assuntos diversificados do interesse dos mesmos. Nesse aspectos várias curiosidades são apontadas.

A estudante Valesca Inês Hoeltgebaum apontou a diferença do Ensino Médio na Itália, onde o período é de quatro anos e segue um padrão diferenciado, já personalizado para as áreas humanas ou as exatas. Carla Lais Manenti falou das músicas e dos bailes, bem diferentes dos que acontecem no Brasil. A estudante Viviane Costa destacou as amizades. “Conheci a Eliana, uma estudantes italiana, filha única, a qual tivemos um relacionamento muito próximo. Nos consideramos irmãs. Uma amizade para a vida toda”, destacou.

O estudante Jenefer Junior Manenti, que também integra um grupo de danças italianas em Arroio Trinta, destacou que o grupo italiano busca resgatar essa herança cultural deixada por descendentes italianos. Ele conta que o grupo se impressiona em ver essa cultura tão forte na região. “As danças, os pratos típicos, os jogos italianos, tudo é motivo de muita curiosidade por parte dos estudantes italianos. Nós contamos a nossa experiência, eles ficam sabendo mais sobre a nossa cultura e nós temos a oportunidade de treinar nosso italiano”, finalizou.

Olimpíadas Rio 2016 em foco

A proposta de intercâmbio entre escolas brasileiras e italianas integra um projeto desenvolvido pelo Consultado Italiano no Brasil que propõe uma colaboração e uma parceria telemática sobre áreas de interesse compartilhado. Um dos temas centrais refere-se ao “rol do esporte como veículo pela construção de uma cidadania global” visando as Olimpíadas do Rio 2016. O Ministério Italiano de Instrução escolheu onze escolas, sendo uma delas a EEB Governador Bornhausen. O Ministério da Universidade Instrução e Pesquisa, da Itália, é a entidade que supervisionará as operações.

%d blogueiros gostam disto: