Padre citado no filme Spotlight é preso em Santa Catarina por estuprar crianças em Minas

Bonifácio Buzzi, de 56 anos, é acusado de aliciar dois meninos de 9 e 13 anos na zona rural de Três Corações, na Região Sul de Minas Gerais

Igreja de São Guilherme, no distrito de Mainart, onde Buzzi celebrava missas. Crime cometido no lugarejo levou Mariana a figurar na lista internacional da vergonha (foto: Tulio Santos/EM/D.A Press.)

O padre Bonifácio Buzzi, de 56 anos, acusado de aliciar dois meninos de 9 e 13 anos na zona rural de Três Corações, na Região Sul de Minas Gerais, foi preso nesta sexta-feira em Barra Velha, próximo a Joinville, em Santa Catarina. Policiais civis mineiros cumpriram mandado de prisão contra o religioso, que já foi condenado por estupro contra crianças. Ele é um dos citados na lista internacional da vergonha, exibida ao fim do filme Spotlight – segredos revelados, que ganhou o prêmio no Oscar como melhor filme.

O padre foi encontrado depois que a Justiça expediu o mandado de prisão contra ele por causa de novos abusos. Ele estava em uma casa de praia da irmã dele em Barra Velha. Os policiais o localizaram no fim desta manhã. O homem não resistiu a prisão. A previsão é que o religioso chegue na noite desta sexta-feira em Três Corações, onde será levado para um presídio da cidade.

Bonifácio já tinha sido condenado a 20 anos de prisão. Ele cumpriu um sexto da pena e acabou liberado em 2015. Segundo as investigações da Polícia Civil de Minas Gerais, após ser colocado em liberdade voltou a cometer os mesmo crimes.

Padre foi encontrado em uma casa de Santa Catarina (foto: Polícia Civil/Divulgação)
Padre foi encontrado em uma casa de Santa Catarina (foto: Polícia Civil/Divulgação)

A prisão de Buzzi é como um alívio para a mãe do garoto que foi a vitima do primeiro crime praticado pelo religioso e apurado pela polícia. Como o Estado de Minas publicou, na edição de 8 de fevereiro, os abusos aconteceram em 2001. O padre participava de um projeto social em Mainart, distrito de Mariana, na Região Central de Minas Gerais e, numa tarde, convidou José (nome fictício da vítima) para pescar no Gualaxo do Sul. Numa das margens, fez sexo oral na vítima. Buzzi já havia sido acusado de molestar dois meninos em Santa Bárbara, também no interior de Minas. Há suspeita de que ele teria cometido o mesmo crime em Santa Catarina.

Condenado, Buzzi foi encaminhado para o hospital psiquiátrico de Barbacena. Depois, transferido para a delegacia daquela cidade. O religioso também cumpriu pena na penitenciária de Juiz de Fora. Em julho de 2015, obteve o alvará de soltura. O religioso está proibido de exercer as funções de padre. Um processo que deve desligá-lo dos quadros da Igreja tramita no Vaticano.

José completou 24 anos em maio. Pai de uma menina, ele mora no sítio da família em Mainart, povoado fundado por dois irmãos italianos há mais de um século. O rapaz sobrevive de bicos na agropecuária. À reportagem, a mãe da vítima afirmou que desejava a prisão do religioso. “Tomara que ele não volte a importunar ninguém”, disse. À época do crime contra o filho, ela foi alertada pela professora dele de que o menino apresentava um comportamento estranho em sala de aula. Perguntado sobre o que o incomodava, ele contou à família o que ocorreu numa das margens do Gualaxo do Sul.

EM

%d blogueiros gostam disto: