Casal Videirense entra em sétimo dia da viagem de bicileta

Os videirenses, Edison Luiz Otto e sua esposa, Aline dos Santos, estão viajando pelo litoral catarinense de bicicleta. A aventura iniciou no dia 15, em Balneário Camboriú e vai percorrer quase 500 quilômetros da costa, passando por inúmeras praias e reservas, numa contemplação total ao meio. Sem carro de apoio, carregam nas costas tudo que precisam para sobreviver a estes dias de invejável aventura ladeada pelo mar. No final de semana, o casal percorreu mais um importante trecho.

QUARTO DIA
Sexta (18), o casal Edson Otto e Aline dos Santos, completou o quarto dia de aventura no pedal, pelo litoral catarinense. “O sol brilhou logo cedo e nos acompanhou em todo o percurso. Logo no início entramos na ilha de Santa Catarina pela passarela, que fica na parte inferior da ponte Colombo Salles – talvez seja novidade para alguns. Seguimos pela famosa beira mar norte, sentindo o vento fresco no rosto e saboreando a bela paisagem”, contaram. Para escapar do perigo da SC 401 onde vários ciclistas já perderam a vida, seguiram por rota alternativa, pelos bairros João Paulo, Cacupé, Santo Antonio de Lisboa e estendemos até o Sambaqui. “Vimos neste percurso praias e paisagens que as palavras não são suficientes para descrever. E, depois de um delicioso almoço num casarão do século XVIII seguimos até a praia da Daniela, onde pela primeira vez um pneu furado nos fez sujar as mãos. Resolvido isto, rumamos a praia onde as mansões são a atração: Jurerê Internacional, quanta riqueza!” O percurso do dia finalizou em 60 km na praia de Canasvieiras, em mais um anfitrião do AirBNB. Amanhã tem mais.

QUINTO DIA
O quinto dia de aventura do casal Edson Otto e Aline dos Santos, que está pedalando pela costa catarinense numa aventura de bicicleta está riquíssimo, Por isso, segue em primeira pessoa: “Manhã de tempo bom e ar fresco, 17C. Saímos percorrendo as ruas de Canasvieiras, tudo tranquilo naquele horário, mas os trabalhos de preparação para receber os turistas na temporada segue em ritmo intenso. Trocam móveis e portas, pintam cercas, janelas e paredes, cortam a grama e limpam os arredores. Como está ficando bonito, tomara que os hóspedes valorizem e respeitem, mas não é o que vimos em outras temporadas.
Rumo ao norte, com vento sul pelas costas ajudando, foi fácil chegar a Praia da Lagoinha. Lá as casas e comércio praticamente fecharam o acesso à linda praia. Comerciantes animados com o sol que certamente trará muitos clientes neste sábado.
Ponta das Canas, com suas ondas pequenas, também se organizando.

SEXTO DIA
O domingo dos aventureiros Edson Otto e Aline dos Santos, que estão percorrendo o litoral catarinense de bicicleta, foi proveitoso. Confira o relato “Só porque hoje foi domingo nossa atividade foi mais curta, 39km pedalando. Saímos da praia de Ingleses antes das 8h para melhor aproveitamento do dia. Percorremos o Rio Vermelho e demos uma parada curta no parque, onde se tem acesso a parte bem ao norte da Lagoa e a polícia ambiental recolhe animais silvestres salvos de cativeiro e mais tratos. Dali seguimos até a Barra da Lagoa, linda, ensolarada e o pessoal chegando, enquanto uma turma de alunos aprendia a surfar.
Algumas fotos por ali e fomos ao TAMAR, projeto dedicado a proteção das tartarugas e outras vidas marinhas. Quando vier a Floripa dedique um tempo a esta visita, pois vale a pena. Eles têm vários animais que podem ser vistos bem de perto, destaque para as grandes tartarugas, é claro.
Saindo dali, encaramos o morro da Lagoa, não é muito alto, mas bastante íngreme, sendo o esforço recompensado pelo visual e pela descida próxima a Praia Mole. Mas no mirante onde paramos ofegantes ouvimos uma voz oferecendo chopp artesanal de Pomerode. Impossível resistir a tentação, e o amargo do lúpulo nos refrescou.
Seguimos em frente, fomos até a badalada Praia da Joaquina, com ondas grandes e surfistas deslizando nelas. Já era passado das 11h e a fome apertava. O melhor lugar para resolver isto é na Avenida das Rendeiras, na Lagoa da Conceição, bom preço com aquele visual, não precisa de mais nada.
Depois de abastecidos percorremos toda a extensão da avenida, passamos a pequena ponte e tiramos a direita. Nosso objetivo agora era fazer o contorno interno da Lagoa, chamado de Costa da Lagoa. Qual nada, falha de planejamento e a estrada termina em uma trilha difícil de percorrer até mesmo a pé. Pequena pausa para molhar os pés e dar meia volta.
Fomos nos instalar na casa do anfitrião do dia, o Sander, no Centrinho da Lagoa, que nos recebeu com água gelada e saborizada com hortelã. Instalados, saímos para um passeio de barco, agora sim fomos até a Costa da Lagoa. Outra dica: Pegue o barco na cabeceira da ponte da Lagoa, ao custo de R$15,00 você vai passear até a Costa, ida e volta. A única forma de chegar lá, onde há vários piers e em cada um tem restaurantes. Paramos no de número 19, desembarcamos e caminhamos pela trilha – não há ruas – entre as casas dos moradores cercados pela floresta preservada. Foi uma hora de barco para ir e outra hora no retorno. Um passeio de encher os olhos”.
Crédito: Colaboração especial do jornalista Edélcio Lopes.

%d blogueiros gostam disto: