Mãe diz à polícia que ocultou morte de menina porque era ameaçada

Em depoimento à Polícia Civil, a mãe da menina de 3 anos cuja ossada teria sido encontrada na quinta-feira (23) em Passos Maia, no Oeste catarinense, afirmou que nunca contou sobre o crime para ninguém porque teria sido ameaçada pelo marido, que é suspeito do homicídio. O caso só veio à tona depois que ele morreu, nesta semana, em um acidente no Paraná.
A hipótese de assassinato surgiu no velório de Joar Feliciano Martins, de 24 anos, morto em um acidente de moto. No velório dele, na terça-feira (21), parentes perguntaram para a viúva onde estava a menina. Segundo a Polícia Civil de Ponte Serrada, para alguns a mãe teria dito que a menina havia morrido há 15 dias, para outros, que ela morreu há seis meses.
Desconfiada, uma das familiares da mulher acionou o Conselho Tutelar de Palmas, no Paraná. A equipe teria ido à casa da mulher pedir a certidão de óbito da menina, mas ela não apresentou. Conforme a Polícia Civil, o conselho tutelar acionou a Polícia Militar e a mulher admitiu que a menina teria sido morta pelo marido há oito meses em Catanduvas, no Oeste catarinense, onde a família morava na época do crime.
A mulher informou que, no dia da morte da criança, chegou em casa e encontrou a filha caída ao lado da cama com hematomas. O marido disse para a mulher que a menina teria caído e morrido. A mulher chegou a telefonar para a mãe, mas o marido tirou o telefone da mão dela e desligou.
O corpo foi levado pelo suspeito até uma propriedade do seu pai, no interior do município de Passos Maria, em um local a 40 quilômetros da zona urbana.
Ainda conforme a Polícia Civil, neste período em que ninguém sabia da morte da menina, quando parentes perguntavam sobre a criança, a mãe dizia que ela estava na casa da avó materna.
O corpo da menina foi encontrado na quinta-feira (23). O local onde a criança foi enterrada foi indicado pela própria mãe. Um laudo do IML deve esclarecer se essa ossada é realmente da menina, a causa da morte e há quanto tempo aconteceu.
Investigação
A mulher de 23 anos foi presa em flagrante por ocultação de cadáver e na tarde desta sexta-feira (24) estava sendo levada de Ponte Serradax para o presídio feminino de Chapecó.
A Polícia Civil vai investigar o caso e se a mãe da criança teve participação na morte da filha. Conforme a delegacia de Ponte Serrada, até a tarde desta sexta-feira (24) o corpo da menina continuava no Instituto Médico Legal (IML) de Xanxerê. O IML da cidade não havia divulgado informações sobre o caso até a publicação desta notícia.

Fonte: DC

%d blogueiros gostam disto: