Apesar de concluídas, Upas de ao menos três cidades de SC não funcionam

Florianópolis, Videira e Balneário Camboriú dispõem de estrutura, mas não têm atendimento.

Embora tenham sido concluídas, Unidades de Pronto Atendimento (Upas) de ao menos três cidades de Santa Catarina permanecem sem funcionamento. Os investimentos são superiores a R$ 2 milhões, mas as portas continuam fechadas, como mostrou o Jornal do Almoço.

No fim do ano passado, o Ministério da Saúde anunciou novas formas de custear as unidades de pronto atendimento em todo país. Os repasses agora são feitos de acordo com a quantidade de profissionais que atuam na unidade e e não mais pelo tamanho da Upa. No entanto, ao menos três seguem sem atendimento em Santa Catarina.

Balneário Camboriú

A construção da segunda Upa de Balneário Camboriú, no Litoral Norte catarinense, começou em janeiro de 2013 e o governo federal afirmou à RBS TV que a unidade está pronta desde dezembro do ano passado. A prefeitura, no entanto, disse à reportagem que precisa refazer a parte elétrica, além de comprar os equipamentos. A unidade tem capacidade para atender mais de 150 pacientes por dia.

“Esse recurso ainda não temos nos cofres da Secretaria Municipal de Saúde. Estamos pensando em começar a estudar a abertura desta unidade e começar a oferecer a comunidade lá para setembro ou outubro deste ano”, disse o secretário de Balneário Camboriú.

As Upas prontas, mas fechadas deveriam ser beneficiadas por mudanças nas formas de custeio anunciadas pelo Ministério da Saúde. Na prática, as cidades podem escolher entre oito tipos de repasses mensais, que variam de acordo com a capacidade de atendimento e o tamanho da equipe de trabalho. Porém, os gestores da saúde dizem que antes de receber esta ajuda mensal precisam de recursos imediatos para equipar as unidades e contratar pessoal.

Videira

Em Videira, no Oeste do estado, a construção da Upa custou mais de R$ 2 milhões, chegou a ser inaugurada em dezembro de 2016, mas continua com as portas fechadas. O local dispõe de 50 salas, com camas e equipamentos que poderiam atender pacientes da região.

Florianópolis

Situação semelhante foi verificada em Florianópolis, em que uma Upa pronta desde 2014 está, atualmente, com pedaços do forro caindo. O projeto surgiu em 2010, mas não há previsão para o funcionamento.

“A localização próxima a São José, será difícil negar atendimento ao pessoal dos demais municípios. Acho difícil que abra este ano. Se estamos com dificuldade de fechar o pagamento do funcionalismo, seria uma irresponsabilidade total ficar prometendo algo de viabilidade duvidável, mas ela vai abrir, talvez no começo do próximo ano”, disse o secretário de Saúde de Florianópolis, Carlos Alberto Justo.

Há pouco mais de um mês, o governo do estado devolveu a gestão do prédio para a prefeitura da capital, que passou a estudar a melhor forma de usar o espaço. Uma das alternativas seria firmar um consórcio com cidades vizinhas para pagar a manutenção da unidade.

Ministério notificou municípios

De acordo com o Ministério da Saúde, Santa Catarina tem 28 Upas, mas apenas 13 estão em pleno funcionamento, nove estão em fase de construção, seis estão prontas, mas ainda de portas fechadas.

O Ministério da Saúde informou a RBS TV que as prefeituras de Balneário Camboriú, Videira e Florianópolis foram notificadas no mês passado para readequar as estruturas e que os municípios não mandaram solicitação para mudanças na gestão das unidades.

 Fonte: G1

%d blogueiros gostam disto: