fbpx

Discurso de candidato

Mesmo tendo lançado o padrinho Geraldo Alckmin a presidência durante sua palestra em Florianópolis, sexta-feira, o prefeito de São Paulo, João Dória, está percorrendo o país (já esteve em outras capitais) como pré-candidato à presidência pelo PSDB.

Em um auditório da Fiesc lotado (empresários, jornalistas, profissionais liberais), o tucano arrancou aplausos de pé, alternando seu discurso entre críticas duríssimas ao PT e as realizações que já concretizou em pouco mais de 100 dias na maior cidade da América Latina.

“Me acusaram de fazer demagogia. Mas em 83 dias, zerei as filas na Saúde com o Corujão da Saúde, onde as pessoas mais simples foram atendidas em hospitais de alto nível,” afirmou o prefeito.

Em relação aos petistas, o tucano, que sucedeu Fernando Haddad (PT) na prefeitura paulistana, não perdoou. “Os brasileiros não podem permitir que o país caia na desgraça de um desgoverno petista novamente, nem nas cidades, nem no país.”

Privatizações

Dono de uma aprovação recorde neste início de governo, o paulistano ressaltou que o segredo de sua gestão é focar naquilo que é responsabilidade exclusiva do Estado. “A população precisa ser atendida com excelência naquilo que ela mais precisa. Todo o resto, pode e deve ser privatizado, e em São Paulo faremos isso”, completou o prefeito tucano, salientando que já estão em curso 55 programas de privatizações, que incluem parques, o Estádio do Pacaembu, cemitério municipal e por aí vai.

Moreira aplaude

Integrante da mesa de autoridades do evento, o vice-governador Eduardo Pinho Moreira foi um dos primeiros e mais entusiasmados a aplaudir o prefeito quando ele discursou que não disputará a presidência e que seu candidato é Alckmin. O peemedebista abriu um sorriso de orelha a orelha. Em 2010, Pinho Moreira quase foi expulso do partido por apoiar o tucano paulista, enquanto o PMDB indicava Michel Temer para vice de Dilma Rousseff.

Amigo

A palestra de João Dória foi no auditório da Fiesc, mas o evento foi organizado pelo LIDE, grupo de empresários do qual o paulista é fundador. O tucano veio a Santa Catarina pelas mãos do publicitário e amigo Wilfredo Gomes (que preside o braço catarinense do LIDE). O patrocínio ficou a cargo da Fecomércio.

Rombo

Presidente da Comissão de Precatórios da OAB-SC, advogado Gabriel Augusto Peregrino Ferreira considera que nesta questão específica, Santa Catarina está na  contramão da realidade apresentada pelas autoridades em relação às contas positivas. Notadamente acerca dos números de 2015 e 2016. De acordo com ele, “importante informação foi ‘varrida’ para dentro do tapete do governo: a regularidade nos pagamentos de precatórios judiciais em razão do calote promovido pelo Estado relativamente à parcela única de 2016 e as parcelas de janeiro, fevereiro, março e possivelmente a de abril de 2017.”

Petição

Peregrino Ferreira informa, ainda, que a  OAB/SC,  através da comissão presidida por ele, já peticionou para que seja determinado o sequestro dos valores nos termos da Resolução Nº 115 do CNJ e do 104 do ADCT.

Rombo

“O processo encontra-se concluso com o presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina para que determine o sequestro nos próximos dias. O valor do sequestro deverá suportar o montante em atraso, de acordo com a norma constitucional vigente, aproximadamente R$ 400 milhões. O estrago nas contas do estado será impactante,” projeta Peregrino Ferreira.

%d blogueiros gostam disto: