fbpx
Ultimas Notícias

Estudantes ​de Psicologia ​visitam entidades ​de assistência a pessoas com necessidades especiais

Acadêmicos da 4ª​ fase​ do curso de Psicologia da Unoesc Videira realizaram viagem de Estudo​,​ nos dias 15 e 16 de outubro​, a São José, região metropolitana de Florianópolis. Na oportunidade estiveram na Fundação Catarinense de Educação Especial ​(FCEE​)​, Associação Catarinense ​P​ara Integração do Cego ​(ACIC​)​ e Hospital Psiquiátrico​ (IPQ​)​ Colônia Santa. Também ​conheceram o ​M​ercado ​P​úblico​ Municipal​, Igreja e Praça da Figueira e Beira Mar​ Norte​.

O Eixo Estruturante nesta fase, explica ​a​ professora Taisa Trombertta DeMarco​,​ coordenadora do curso, é aprendizagem e desenvolvimento pessoal​,​ com ​os componentes Psicologia das Habilidades Sociais, Psicologia Social, Psicopatologia I, Psicologia da Aprendizagem, Psicodi​a​gnóstico, Psicologia e Pessoas com Deficiência, Processos Psicológicos Básicos II, Corporiedade e Psicomotricidade e Estágio IV.

Nesta fase, os alunos junto ​aos componentes curriculares cursad​os​, iniciaram a prestação de serviço comunitário em parceria com a Prefeitura Municipal para realização de psicodiagnóstico e ​c​onhecer a Fundação Catarinense ​de ​Educação Especial (FCEE) e a associação Catarinense ​P​ara Integração do Cego (ACIC) oportuniza​ a​ os alunos,​conhecerem as metodologias, recursos e processos vinculados à área das deficiências​. No instituto​,​​tiveram a oportunidade de ​observar aç​ões​ efetiva​s​ na área de inclusão das diferentes deficiências, sendo este ​espaço ​reconhecido​ ​nacionalmente​ ​como referência.

Já​,​ o estudo da saúde mental​ -​ comenta a professora da Unoesc​ -​ situa-se num campo interdisciplinar complexo, abrangente, pouco examinado e se encontra ​em componentes como a psiquiatria clínica, economia política, biologia, sociologia, antropologia, psicologia experimental e clínica, toxicologia, epidemiologia, entre outras.

Ao analisar essa relação, é importante​,​ também​,​ refletir sobre o que é saúde. Nesse sentido, Dejours (1986), salienta que o estado de bem​-estar bio-psico-social é apenas virtual, pois nunca pode ser alcançado e​,​ se o for, não pode ser permanente. Na verdade, entender a saúde como um estado, na sua concepção, é equivocado e é propost​a​ outr​a visão​, ​em que o núcleo do conceito de saúde, ao invés de ser um estado é​,​ na verdade, a variabilidade, ou seja, a cada momento somos diferentes.

Para isso, recorre ao que a fisiologia, a psicossomática e a psicopatologia abordam em comum, o fato de que os organismos vivos e​,​ dentre eles​,​ os homens, serem caracterizados pelo movimento e não pela estabilidade. Por exemplo​,​ para a fisiologia, o estado estável, no limite, significa a morte do organismo.

Por fim, saúde não é a ausência de sofrimento e de dor, mas sim, ter condições e instrumentos para interferir no que os causam ​(DEJOURS, 1986). Concluindo, o estudo da saúde mental e da psicopatologia deve se embasar na maneira como uma sociedade articula e reage à anormalidade ou normalidade, pois dependem dos seus valores, suposições sobre a vida e o comportamento humano. Na Europa medieval, a anormalidade era frequentemente atribuída a causas sobrenaturais como demônios​,​ e o tratamento envolvia preces e diversas formas de exorcismo.

Na sociedade norte-americana, que se baseia na ciência e nos “milagres da medicina moderna”, o comportamento anormal é considerado uma doença mental e tratado​,​ frequentemente​,​ com drogas. Essas diferentes visões antigas não foram descartadas pela ciência psicológica, mas sim, aprofundadas​, quando surg​e​m novas formas de compreender a saúde, o normal, o anormal​,​ e esse é o objetivo da viagem ​a​o Hospital Psiquiátrico Colônia Santana.

%d blogueiros gostam disto: