Vigilância alerta sobre cuidados para evitar proliferação do Aedes Aegypti

Com a chegada do verão, os cuidados para evitar a proliferação do Aedes Aegypti devem ser redobrados. Com o clima fica mais quente e úmido, os ovos do mosquito se abrem com mais facilidade, aumentando a proliferação do inseto, que é o transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya.

Evitar deixar água parada é o principal meio de evitar a proliferação dos focos do mosquito. A coordenadora Vigilância Epidemiológica de Videira, Sandra Urbano dos Santos, ressalta que nesta época do ano a campanha contra o Aedes Aegypti é intensificada, porém, a luta contra o mosquito deve ser contínua e permanente.

“Eliminar os focos do Aedes Aegypti é uma missão de todos nós, que deve ser feita todos os dias. A única solução para este problema é a prevenção, por isso não deixe água parada em qualquer recipiente, promova a limpeza do seu terreno pelo menos uma vez por semana. Pequenos gestos como estes podem salvar vidas”, afirma.

Denúncias sobre possíveis focos ou sobre locais que oferecem risco podem ser feitas pelo telefone 3566-7900, de segunda-feira à sexta-feira, das 8h às 12h, e das 3h às 17h.

DICAS

PISCINAS: Com a chegada do verão, muitas famílias costumam montar piscina. No entanto, é comum que as pessoas esqueçam de tratar a água corretamente ou cobrir a piscina quando a mesma não está sendo utilizada. Vale ressaltar que em 2015 foi encontrado foco do mosquito em uma piscina no bairro Nossa Senhora da Aparecida, em Videira

VASOS DE PLANTAS: Cuidado redobrado com os vasos de plantas, principalmente em cemitérios, onde é comum as pessoas deixarem vasos com a embalagem. A orientação é para que se retire o plástico que envolve os vasos, pois neste local acontece o maior de acúmulo de água. Além disso é importante cobrir os pratos dos vasos com areia até a borda, pois assim a água com a qual as plantas são regadas não fica parada e propensa a receber lavas do mosquito. Para plantas aquáticas o ideal é trocar a água a cada sete dias.

VASILHAS: A higienização das vasilhas de água dos animais domésticos também é de extrema importância, visto que a larva do mosquito se desenvolve nestes recipientes, pois o animal não ingere a larva presente na água. Por isso, é de extrema relevância lavar com escovinha os vasilhames ao menos uma vez por semana, além de trocar a água diariamente. Em 2017, o maior número de focos identificados pela Vigilância Epidemiológica de Videira foi em potes de água dos animais.

ÁGUA DA CHUVA: Para quem coleta água da chuva, o correto é armazenar em local fechado, com tampa ou com tela para evitar a entrada do Aedes Aegypti no recipiente e, consequentemente, evitar um novo foco do mosquito.

CALHAS: A limpeza de calhas deve ser feita regularmente para que a sujeira não se acumule e tranque o escoamento da água.

%d blogueiros gostam disto: