O que muda com a nova resolução do Contran?

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) padronizou as normas para o processo de formação de motoristas de veículos automotores e elétricos, realização de exames, expedição de documentos de habilitação, cursos de formação especializados e reciclagem, com base em teorias e práticas pedagógicas que sejam capazes de promover um trânsito seguro.

Entre as medidas efetivas, a carga horária para o simulador aumentou de cinco para seis horas. O número de aulas para moto também foi afetado, passando de 10 para 25. Bem como, um ponto polêmico nessa norma é o exame de moto a ser feito na rua. Atualmente ele só acontece com obstáculos, em área fechada. Veja o que muda:

Renovação da CNH exigirá curso e prova teórica

Os motoristas que precisarem renovar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) a partir de junho deste ano terão que fazer um curso teórico e uma prova, além do exame médico que já era obrigatório.

Quem renovar a CNH das categorias A e B até 5 de junho terá que fazer apenas o exame médico.

Como é o curso?

Deve ser feito ao renovar a CNH (a cada 5 anos)

Tem duração de 10 horas/aula (máximo de 5 horas/aula por dia)

Pode ser feito de forma presencial ou à distância

Prova teórica com 30 questões de múltipla escolha

Motorista deve ter 100% de frequência no curso e 70% de acertos no exame

Ainda não há definição sobre mudanças no preço da renovação

E se o motorista não passar?

Se o motorista for reprovado, ainda poderá fazer uma nova prova 5 dias depois da divulgação do resultado. Se houver uma segunda reprovação, ele deverá passar por todo curso novamente.

O curso a distância deve ser realizado em no máximo 5 dias, mas a prova será aplicada apenas presencialmente.

Estão dispensados deste curso apenas os motoristas que realizam atividades remuneradas em veículos, como transporte de carga e passageiros. Mas estes profissionais também passarão por outro curso específico, de maior duração, a cada 5 anos.

CNH para moto e ‘cinquentinha’ terá aulas e exames nas ruas

Atualmente, os candidatos a primeira habilitação rodam com os veículos apenas em circuito fechado. Essa fase em local fechado será mantida, e a etapa em vias públicas adicionada a partir de 5 de junho.

A carga horária de 20 horas/aula do curso prático foi mantida. No entanto, ela foi dividida entre 10 horas/aula em circuito fechado e outras 10 horas/aula em vias públicas.

Para os ciclomotores, as 10 horas/aula foram divididas em 4 horas/aula em circuito fechado e 6 horas/aula em vias públicas.

Como será o processo para habilitação de motos?

Categoria A (motos)

Avaliação Psicológica, exame de aptidão física e mental;

Cursos teóricos: básico (25 horas/aula) e específico (20 horas/aula);

Exame teórico;

Curso de prática de direção veicular em circuito fechado (10 horas/aula);

Exame de direção veicular em circuito fechado;

Curso de prática de direção veicular em via pública (10 horas/aula);

Exame de direção veicular em via pública.

Categoria ACC (ciclomotores)

 

Avaliação psicológica, exame de aptidão física e mental;

Cursos teóricos: básico (20 horas/aula);

Exame teórico;

Curso de prática de direção veicular em circuito fechado (4 horas/aula);

Exame de direção veicular em circuito fechado;

Curso de prática de direção veicular em via pública (6 horas/aula);

Exame de direção veicular em via pública.

Motociclista fará dois exames práticos

Com as mudanças, os candidados começarão fazendo curso em circuito fechado para depois realizar o primeiro exame prático, ainda em local fechado. Sendo aprovado nesta etapa, os alunos passam a fazer aulas nas ruas para depois fazer a segunda prova, essa sim nas ruas.

Aulas teóricas também mudam

Outra alteração está no conteúdo das aulas teóricas para motos. Apesar de manter o total de 45 horas/aula, a partir de junho serão divididas em 25 horas/aula de material básico e 20 horas/aula material específico sobre motos.

Isso muda também a quantidade de horas/aula para quem desejar tirar as habilitações A e B (carros) ao mesmo tempo. Como existirá o material específico para motos, o aluno terá que fazer outras 20 horas/aula de conteúdo sobre carros, chegando ao total de 65 horas/aula.

Motorista vai ter que fazer 2 balizas para tirar a CNH

Se a prova da baliza já é o terror dos solicitantes da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) na categoria B (carros de passeio), a situação deve piorar a partir de junho deste ano, quando os inspetores devem exigir duas manobras no teste, uma paralela à calçada e outra perpendicular.

Atualmente, apenas uma manobra do tipo é exigida. Quem define qual é necessária para passar na prova é o Detran de cada estado.

Para padronizar as provas em todo o país, o Contran publicou na última semana uma resolução que exigirá de todos os alunos os dois tipos de manobras.

Ou seja, para ser aprovado, o condutor deverá fazer uma manobra de estacionamento paralelo ao meio fio e também uma entrada perpendicular à calçada, simulando uma garagem, com a retirada do veículo.

O comprimento e a largura da vaga continuam os mesmos: tamanho do veículo mais 40%. O tempo máximo para fazer cada uma das manobras é de cinco minutos, com no máximo três tentativas.

O candidato será eliminado da prova de baliza se somar 5 pontos ou mais em faltas.

Falta gravíssima (5 pontos): provocar acidente, estourar o tempo e as tentativas de baliza, subir no meio fio, encostar ou derrubar a baliza, deixar de dar preferência a pedestre e bicicleta, não completar alguma etapa do exame.

Falta grave (4 pontos): perder o controle avançando sobre outra faixa, deixar a porta aberta ou semiaberta, não sinalizar a manobra, não usar cinto de segurança, não acionar o limpador de para-brisa sob chuva.

Falta média (3 pontos): fazer o percurso sem estar com o freio de mão totalmente livre, deixar o carro morrer, dirigir com apenas uma mão (exceto quando mudar marcha ou sinalizar), sair com o carro sem olhar no retrovisor fazendo movimento para diminuir o ponto cego e utilizar as marchas de maneira incorreta.

Falta leve (2 pontos): falhar no ajuste do banco, não arrumar os espelhos retrovisores, interpretar incorretamente o painel de instrumentos, dar partida sem estar em ponto morto ou acionar a embreagem, tentar sair sem engatar marcha, usar a buzina ou as luzes do veículo incorretamente, encostar no meio fio.

Outras mudanças recentes para o trânsito:

CNH vai virar cartão com chip até 2019

Pedestres e ciclistas poderão ser multados a partir de abril

Inspeção veicular será obrigatória até o final de 2019

Placas do Mercosul começam a valer em 1º de setembro

 

 

Fonte: G1

%d blogueiros gostam disto: