Fundam do MDB afunda

Depois de um início forte e positivo, o governo Eduardo Pinho Moreira passou a dar sinais constantes de desorganização. Não bastassem as derrapadas envolvendo a titularidade da Secretaria de Educação e a edição da desastrosa MP 220, que abriu um fosso na Alesc e colocou em posição de confronto duas das mais importantes entidades empresariais de Santa Catarina (Fiesc e Fecomércio), o governo criou outro problema para si mesmo.

Pinho Moreira convocou prefeitos do MDB das mais variadas regiões. Concedeu-lhes audiências e jantares nos quais anunciou a versão emedebista do Fundam – aquele programa que Raimundo Colombo criou em 2013 para distribuir recursos a todos os municípios do Estado. Naqueles idos, o Fundam, sem trocadilho, foi um sucesso e ajudou a alavancar a reeleição do então governador.

Como a segunda edição anunciada por Colombo no ano passado bateu na trave do BNDES, Moreira e seus assessores decidiram criar uma versão própria. Voltada somente aos prefeitos e vices do Manda Brasa! Mas anunciaram o ovo antes da galinha botar. Não será possível, conforme o governador prometeu aos prefeitos, destinar recursos do Fundo Social aos municípios do MDB.

Restrições

O ano é eleitoral. A lei não permite este tipo de repasse (do governo do Estado aos municípios) justamente para evitar direcionamentos. Também não há recursos. Quase 90% da verba que vai entrar no Fundo Social já está com destinação carimbada. Assim como a segunda, a terceira edição do Fundam, com viés emedebista, também parece que está mais para “Afundam.”

Firmeza

Depois de várias e inaceitáveis afrontas ao Judiciário, o desembargador Hélio do Valle Pereira deu um despacho exemplar, restabelecendo a ordem em Florianópolis. Ou seja, colocando um ponto final na estúpida greve patrocinada pelos sindicalistas do Sintrasem (servidores municipais). O magistrado deixou muito claro que as vias da negociação foram levadas ao limite. Mas se exauriram face à prepotência e à arrogância do sindicato.

FRASE

“Vários pleitos para recrudescimento das medidas contra a greve não foram abordados por mim.  Foi intencional; desejava que as partes atingissem o entendimento. Não queria que decisão judicial servisse de alento à beligerância, de um lado ou de outro.” Desembargador Hélio do Valle Pereira, no firme e brilhante despacho que impôs duríssimas sanções ao Sintrasem caso os servidores não voltassem ao trabalho.

Suprapartidário

O ex-governador tucano do Paraná, Beto Richa, entrou na mira do juiz Sérgio Moro. O magistrado já mandou abrir inquérito para investigar Richa, depois que ele perdeu o foro privilegiado com a renúncia para disputar o Senado. Richa foi delatado por ex-executivos da Odebrecht. A Lava Jato, como se sabe, é contra a corrupção. E suprapartidária.

Contaminação

No âmbito nacional, ninguém quer aproximação com PSDB e MDB. As duas siglas, assim como o PT, estão intoxicadas pelo vírus da corrupção. Pelo menos é que o mostram tendências de bastidores junto ao eleitorado. E aqui no Estado, será que tucanos e emedebistas estarão juntos?

Sem alianças

Jair Bolsonaro continua afirmando que não precisará de alianças para chegar à Presidência da República. O pré-candidato acredita que só com as redes sociais, chegou aos 20%, em média, da preferência. Talvez alguém precise avisar Bolsonaro que as redes sociais podem, rapidamente, se tornar antissociais.

%d blogueiros gostam disto: