Dize-me com quem andas!

O dito popular, que é completado por outra frase famosa, “que te direi quem és,” é apropriado para o momento político-eleitoral ao Sul do Equador.

Com o segundo turno presidencial e em vários estados batendo às portas da campanha, aliar-se a determinados partidos e grupos políticos no round decisivo tem tirado o sono de candidatos, marqueteiros e assessores.

Jair Bolsonaro vem encarnando o antissistema e tem dito que não aceita apoios de envolvidos em casos de corrupção. Esse diapasão, que lhe embasa boa parte do discurso, limita sobremaneira as alianças depois de sete de outubro.

Na outra ponta, Fernando Haddad, o preposto de Lula da Silva, aconselhado desde a carceragem da Polícia Federal em Curitiba, já deixou muito claro que seu arco de aliados pode ser vasto. Desde o centrão, que está com Geraldo Alckmin, passando por parcelas do próprio PSDB e chegando ao PDT de Ciro Gomes.

Não seria de se estranhar. Haddad e o PT estão aliados no Nordeste com figuras como os Renan’s, pai e filho, e Fernando Collor nas Alagoas; Eunício Oliveira e Cid Gomes no Ceará; Ciro Nogueira no Piauí; Jader e Helder Barbalho no Pará e a família Sarney no Maranhão. Resta saber se Bolsonaro se curvará a pragmatismos eleitorais e como o distinto público absorverá os arranjos do turno decisivo!

Na Justiça

O candidato ao Senado pela coligação “Aqui é trabalho” Raimundo Colombo obteve mais uma vitória na Justiça Eleitoral, que concedeu liminar derrubando propaganda com ataques promovidos por Jorginho Mello da coligação “Santa Catarina quer mais”.

Multa e fake

A decisão do juiz Jaime Pedro Bunn foi expedida na tarde de domingo e determina a aplicação de uma multa de R$ 100 mil por cada inserção indevida.

Colombo lamenta que o desespero do adversário leve a divulgação de fake news pelas redes sociais e também na propaganda veiculada na televisão.

Traições a Alckmin

Na sua peregrinação pelos municípios catarinenses, o deputado federal Marco Tebaldi (PSDB), além de apresentar o balanço de suas ações em benefício dos municípios e do Estado de Santa Catarina, aproveita para fazer considerações sobre o que estamos vivendo: um pleito de traições.

Sem apoio

Sua indignação é principalmente com a falta de apoio ao candidato tucano a presidente Geraldo Alckmin, que ele considera “o mais equilibrado, o mais preparado e mais experiente para retomar o crescimento do Brasil”.

Fundo eleitoral

Os deputados federais João Rodrigues (SC) e Celso Jacob (RJ), que buscam a reeleição, segundo a Coluna do Estadão, condenados à prisão depois da condenação em segunda instância, já receberam valores significativos do Fundo Eleitoral. Aquele que retirou dinheiro do Orçamento Público para as campanhas deste ano!

%d blogueiros gostam disto: