Crise interna do PSL só prejudica o partido

O presidente estadual do PSL, Lucas Esmeraldino, ainda não se manifestou com relação a essa crise criada no partido aqui em Santa Catarina. A coluna passou o dia cobrando explicações e pedindo declaração do próprio presidente Lucas, que agora também é Secretário de Estado, com relação ao pedido de três deputados federais da sigla, Caroline de Toni, Daniel Freitas e Luiz Reis, que sugeriram a destituição da executiva estadual. O documento foi encaminhado ao presidente nacional do PSL, Luciano Bivar.

Eles alegaram que Lucas Esmeraldino no final de 2018 teria nomeado novos nomes para a executiva do partido sem fazer contato com os demais envolvidos. Além disso, a carta afirma que Lucas estaria se afastando das lideranças municipais. O fato é que os três querem afastar Lucas do comando do PSL aqui em Santa Catarina. E o motivo está bem claro: Lucas Esmeraldino estaria tomando decisões por conta própria e isso está gerando uma crise muito forte dentro do partido, que teve um resultado espetacular nas eleições de outubro, mas que precisa estar unido para encarar as eleições municipais. O fato é que o PSL está realmente dividido, porque enquanto três dos quatro deputados federais pedem o afastamento de Lucas, os deputados estaduais estão a favor e pedem a permanência de Lucas no comando do partido. Uma carta assinada pelos deputados estaduais eleitos pelo PSL parabeniza o trabalho desenvolvido por Lucas na criação do partido no estado e pelo bom desempenho nas eleições passadas, inclusive elegendo o governador Carlos Moisés.

O que importa nesse momento é que dessa forma o PSL só tem a regredir e com uma crise interna fica muito mais difícil planejar uma eleição ou buscar o apoio popular, onde sequer internamente os membros estão se acertando. É bem provável que o partido a nível nacional intervenha aqui em Santa Catarina, não acredito que afastando Lucas Esmeraldino que fez realmente um trabalho diferenciado, criando 150 executivas do partido em menos de 6 meses e garantindo uma expressão muito grande nas eleições de outubro, mas interferindo no que diz respeito a buscar a união dos membros aqui no estado. Até porque a votação que o PSL fez em Santa Catarina teve interferência direta na eleição de Jair Bolsonaro e é claro que o presidente não vai querer perder o apoio que tem aqui, tampouco deixar o partido com esse destaque negativo no momento em que começa um governo. Outro que deve se manifestar, talvez não publicamente, é o próprio governador Carlos Moisés que é, de fato, uma pessoa de diálogo e que pode realmente apaziguar a situação dentro do PSL.

Avaliando

A assessoria de imprensa de Lucas Esmeraldino apenas informou que ele está avaliando o melhor momento para se pronunciar. A coluna abre espaço para qualquer declaração do presidente do PSL.

Mais polêmica

Não bastasse a polêmica envolvendo o professor Tiago Savi Mondo que desistiu do cargo de presidente da Santur, agora outra integrante do governo Carlos Moisés foi afastada do cargo. A policial militar Edenice Fraga, que até então vinha atuando como Coordenadora da Igualdade Racial, da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e renda, foi desligada da função conforme informa o Diário Oficial do Estado. A informação que a coluna apurou é que membros aliados do governo questionaram Elenice por sua militância junto à Rede Sustentabilidade, partido de Marina Silva.

Educação começa com o pé direito

O governador Carlos Moisés e a vice-governadora Daniela Reinehr anunciaram a contratação de mil professores efetivos para a rede estadual de ensino. Esses cargos, até então, vinham sendo ocupados por professores ACT’s. Tanto o governador quanto a vice-governadora no momento do anúncio da contratação destes profissionais reforçaram a importância que o governo vai dar à área da educação. Este foi o primeiro passo, mas um importante passo, porque a contratação de mil professores de uma vez só é algo bastante arrojado para o governo do estado. Começou bem a educação.

Reforço na educação

O secretário de Educação do Estado Natalino Uggioni, anunciou Carla Silvanira Bohn como secretária-adjunta de educação. Carla é funcionária de carreira, conhece a Secretaria de Educação como ninguém e vem para reforçar a equipe de governo de Carlos Moisés na área da educação.

Com a missão de inovar

O professor, advogado e doutor em direito Marcos Vinícius Motter foi empossado como diretor-geral da Escola Superior de Advocacia (ESA). Chega com a missão de inovar e deve abrir um curso de iniciação à advocacia focando em bacharéis em direito.

Nova direção

Tomou posse nesta quinta-feira o novo presidente do Sebrae em Santa Catarina, Carlos Henrique Ramos Fonseca, engenheiro eletricista e mestre em Engenharia de Produção pela UFSC. Ele assume no lugar do advogado Carlos Guilherme Zigelli que ficou à frente da instituição por mais de 18 anos.

%d blogueiros gostam disto: