fbpx

“É preciso pensar estrategicamente a presença online”, diz consultor Igor Lopes

Um dos maiores especialistas do Brasil em negócios digitais, o jornalista e consultor Igor Lopes, sócio-fundador da empresa Transformação Digital.

Na sua opinião, quais são as maiores falhas das empresas no uso das tecnologias digitais?

Acho que é falta de estratégia. As pessoas criam páginas em redes sociais e acham que a presença delas lá está feita. Mas você está postando coisas que as pessoas querem ver? É preciso pensar estrategicamente a presença online. De repente, está usando a rede social errada. Se ela tem um negócio B2B porque não está no Linkedin? Se vende roupas, deve estar no Instagram que é mais visual. É preciso estratégia para transformar seguidor em cliente.

Quais setores estão sabendo usar melhor as tecnologias digitais?

Eu não diria setor. Eu diria que existem empresas com maturidades diferentes. Há empresa que já entendeu o digital e está fazendo algo bem feito e outras não. Aí há ameaças e oportunidades para todas. Muitas vezes quando o fundador passa a gestão para o filho que é um nativo digital, a empresa passa a usar tecnologia de forma mais fácil. Aí tem mais a ver com o momento de cada uma.

As pessoas mais jovens fazem mais mudanças? É preciso mudar equipe?

Não é uma questão de idade. É uma questão de entender esse novo momento e ser aberto para o novo. Gostamos de citar aquela frase do futurista Alvin Toffler: “O analfabeto do século XXI não é aquele que não sabe ler e escrever, é aquele que não sabe aprender, desaprender e reaprender”. Se está apegado a coisas do passado, de que sempre se fez assim, desculpa meu amigo, a coisa mudou.

A roda está girando mais rápido e a gente precisa se atualizar o tempo todo. É preciso desaprender e aprender. O que está vindo de novo? Não tem nada a ver com idade. Diversidade na equipe é fundamental. A pessoa que está na empresa há mais tempo, muito provavelmente, tem muito mais bagagem do que o cara mais novo que, às vezes, é muito ansioso. Essa mistura é muito importante.

É difícil, complexo, mas é preciso se abrir para o novo. É preciso olhar sempre o que a concorrência está fazendo porque a indústria que vai te matar pode não ser do seu setor, mas de outro.

Fonte: NSC

%d blogueiros gostam disto: