fbpx

Pesquisadores de SC descobrem nova espécie de pterossauro e batizam de ‘Dragão espírito da morte’

Estudo sobre réptil voador foi publicado na Academia Brasileira de Ciências na terça-feira. Fóssil está em exposição em Mafra.

Desenho do pteurossauro Keresdrakon vilsoni, na imagem voando e comendo o dinossauro. — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

Um réptil voador inédito, que viveu entre 80 e 110 milhões de anos atrás, foi apresentado à comunidade científica na terça-feira (19), fruto de anos de pesquisa coordenadas pelo Centro Paleontológico da Universidade do Contestado (CENPALEO), de Mafra, no Norte catarinense.

Crânio de pteurossauro Keresdrakon vilsoni foi encontrado no Sul do país — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

Crânio de pteurossauro Keresdrakon vilsoni foi encontrado no Sul do país — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

A ossada do pteurossauro foi batizada de “Keresdrakon vilsoni“, que significa “Dragão espírito da morte”. Ela foi analisada entre 2012 e 2014 na universidade catarinense, após coleta de material em Cruzeiro do Oeste, no Paraná.

Pesquisadores fizeram escavação em busca de pteurossauro — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

Pesquisadores fizeram escavação em busca de pteurossauro — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

“Nós trouxemos blocos de rocha do Paraná para Mafra para serem preparados. Um trabalho de coleta em campo de 15, 20 minutos demora anos para ser finalizado”, disse o coordenador do estudo, professor doutor Luiz Carlos Weinschütz, da CENPALEO.

Na terça, foi feita a publicação da espécie na revista da Academia Brasileira de Ciências. “É um reconhecimento da sociedade científica internacional. Caso algum pesquisador encontre algo parecido, terá que fazer referência”, explica Weinschütz.

Ainda conforme o pesquisador, a suspeita é que o animal vivia em pequenos grupos, em áreas desertas, com pouca vegetação e oásis de água. O réptil voador é contemporâneo dos dinossauros, carnívoro e foi considerado de grandes dimensões, com bico grande e forte.

Pesquisadores estimam que ele tinha 2,50 metros de envergadura e entre 15 kg e 20 kg. “Ele tinha que ser muito leve para voar, lembro que ele não tinha penas, seus ossos eram muito finos, 1,5 mm de espessura”, completa Weinschütz.

Fóssil de pteurossauro foi analisado na Universidade do Contestado — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

Fóssil de pteurossauro foi analisado na Universidade do Contestado — Foto: Universidade do Contestado/Divulgação

O pesquisador ainda esclarece que a demora para publicação desta descoberta ocorreu por causa das descobertas de outros animais na mesma região. Primeiro foram feitas as divulgações do pterossauro “Caiuajara dobruskii” e do lagarto “Gueragama sulamericana”.

O estudo também contou com a participação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Universidade Paranaense (Unipar).

O fóssil de réptil voador está em exibição no Museu da Terra e da Vida, na Universidade do Contestado, em Mafra.

Dragão espírito da morte

Keresdrakon” é a junção de “Keres“, que na mitologia Grega são espíritos que personificaram a morte violenta e estão associados a fatalidade, e “Drakon“, que no grego antigo é a palavra para dragão ou enorme serpente.

Já “Vilsoni” é uma homenagem à Vilson Greinert, voluntário do CENPALEO que trabalha com as espécies do “cemitério dos pterossauros“.

Fonte: G1

%d blogueiros gostam disto: