• 09/08/2020

MP paraguaio desiste de denúncia, e Ronaldinho Gaúcho poderá ser libertado

Após cinco meses, o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, o também empresário Roberto de Assis, estão próximos de serem libertados. Presos por uso de documentos falsos no Paraguai desde março, os dois tiveram a denúncia retirada pelo Ministério Público paraguaio e poderão retornar ao Brasil em breve.

“Desde 6 de março, não canso de repetir: o Ronaldo foi preso ilegalmente aqui no Paraguai. Ele passou cinco meses de sua vida preso. E finalmente  o Ministério Público reconheceu que não há prova nenhuma contra o Ronaldo e seu irmão Roberto”, desabafou o advogado de defesa de Ronaldinho Gaúcho, Sergio Queiroz, ao blog do jornalista Cosme Rímoli, do Portal R7.

Segundo o advogado, “o MP paraguaio não achou provas, desistiu da ação contra os dois. Eles são inocentes, como sempre disseram “.

Em Assunção, Queiroz acompanhou durante 151 dias todo o processo, desde que Ronaldinho Gaúcho e seu irmão Assis entraram no Paraguai com passaportes falsos, que mostravam ambos como naturalizados paraguaios.

Eles viajaram a convite de Dalia López, empresária, que segundo as autoridades paraguaias, estaria organizando um esquema de lavagem de dinheiro. A sua prisão também foi decretada, mas ela está foragida.

A defesa do jogador sempre repetiu que foram os funcionários de Dalia que entregaram os passaportes aos dois, e que eles os utilizaram de maneira inocente.

A nova audiência, pedindo a liberdade dos dois, já que o MP não conseguiu prova alguma, deverá acontecer na próxima semana.

Com a retirada da denúncia, Ronaldinho e Assis deverão sair do hotel cinco estrelas, onde estão detidos, e voltar ao Brasil.

Fonte: ND Online