Nessa quarta-feira (02), o Governo do Estado encaminhou o informativo atualizado da Matriz de Risco com os dados que mostram que a Associação dos municípios do Alto Vale do Rio do Peixe (Amarp), continua no nível laranja (grave).

Na matriz desta semana, são cinco as regiões no risco gravíssimo, o que representa 31% das regiões de saúde. Uma região foi reclassificada do risco grave para o gravíssimo, a região Oeste. Continuam no estado de alerta máximo as regiões do Alto Vale do Itajaí, Carbonífera, Meio Oeste e Nordeste.

São 11 as regiões no risco grave, o que representa 69% das regiões de saúde, sendo que nesse caso diminuíram o risco, tendo uma região foi reclassificada do gravíssimo para o grave, a região do Extremo Sul Catarinense.

Continuam no estado de alerta as regiões do Alto Uruguai Catarinense, Alto Vale do Rio do Peixe, Extremo Oeste, Foz do Rio Itajaí, Grande Florianópolis, Laguna, Planalto Norte, Médio Vale Do Itajaí, Serra Catarinense e Xanxerê.

Cerca de 88% das regiões de saúde estão no nível gravíssimo com relação a dimensão de isolamento. Houve aumento de cerca de 7% na quantidade de casos ativos de uma semana para outra, passando de 8.055 para 8.610. Apenas duas regiões não estão no caso gravíssimo.

Ainda ocorre preocupação com a capacidade de ocupação dos leitos de UTI, pois são seis regiões no gravíssimo e quatro no grave, ou seja, maior parte das regiões possui altas taxas de ocupação. No modelo atual, a capacidade de leitos de UTIs em nível estadual é de 67%. Esse montante é menor que a capacidade do modelo da semana anterior que era de 70%.

Nessa quinta-feira (03), os prefeitos da Amarp se reúnem em reunião virtual para discutir a manutenção da região no nível grave, bem como quais serão as próximas ações a serem colocadas em prática nos municípios da nossa região.

Fonte: Assessoria de comunicação AMARP