• 09/12/2016

Dive divulga boletim epidemiológico nº 34 sobre dengue, febre de chikungunya e zika vírus em SC

A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) divulga o boletim n° 34 de dengue, febre de chikungunya e zika vírus, com dados até a Semana Epidemiológica n° 48 (1 de janeiro a 3 de dezembro de 2016).

Dengue

No período de 1 de janeiro a 3 de dezembro de 2016 foram notificados 13.555 casos suspeitos de dengue em Santa Catarina. Desses, 4.379 (32%) foram confirmados (3.477 pelo critério laboratorial e 902 pelo critério clínico epidemiológico), 619 (4%) estão inconclusivos (classificação utilizada no SINAN nos casos em que após 60 dias da data de notificação, ainda estiverem sem encerramento da investigação), 8.438 (62%) foram descartados por apresentarem resultado negativo para dengue e 119 (1%) casos suspeitos estão em investigação pelos municípios. Do total de casos confirmados (4.379) até o momento, 3.994 (91%) são autóctones, com transmissão dentro de Santa Catarina, 288 (7%) são importados (transmissão fora do estado) e 97 (2%) estão aguardando definição do Local Provável de Infecção (LPI) (Tabela 1).

tabela-1Até o momento, conforme informações sobre o Local Provável de Infecção (LPI) existe confirmação de transmissão autóctone de dengue em 27 municípios de Santa Catarina: Balneário Camboriú, Bom Jesus, Brusque, Caibi, Chapecó, Coronel Freitas, Descanso, Florianópolis, Guaraciaba, Guatambu, Itajaí, Joinville, Itapema, Itapoá, Maravilha, Modelo, Nova Itaberaba, Palmitos, Pinhalzinho, Quilombo, São José do Cedro, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Saudades, Serra Alta, União do Oeste e Xanxerê (Tabela 2).

Febre de chikungunya

No período de 1 de janeiro a 3 de dezembro de 2016, foram notificados 893 casos suspeitos de febre de chikungunya em Santa Catarina. Desses, 85 (10%) foram confirmados (81 pelo critério laboratorial e 4 pelo critério clínico-epidemiológico), 53 (7%) estão inconclusivos, 684 (76%) foram descartados e 71 (7%) permanecem como suspeitos.

Do total de casos confirmados (85) até o momento, 74 (87%) são importados (transmissão fora do estado), 6 (7%) são autóctones (transmissão dentro do estado) e 5 (6%) estão aguardando definição do Local Provável de Infecção (LPI). (Tabela 3 e 4).

Em comparação ao boletim n° 33, o município de Florianópolis teve redução de um caso importado devido à mudança de classificação do mesmo.

tabela-2Zika vírus

No período de 1 de janeiro a 3 de dezembro de 2016 foram notificados 475 casos suspeitos de febre do zika vírus em Santa Catarina. Desses, 59 (12%) foram confirmados (38 pelo critério clínico-epidemiológico e 21 pelo critério laboratorial), 27 (6%) estão inconclusivos, 370 (78%) foram descartados e 19 (4%) permanecem em investigação.

Do total de casos confirmados (59) até o momento, 49 (83%) são importados (transmissão fora do estado), 8 (14%) são autóctones, com transmissão dentro de Santa Catarina e 2 (3%) estão aguardando definição do Local Provável de Infecção (LPI) (Tabela 5 e 6).

tabela-3